REPELENTE NA CRIANÇA

Ainda existem muitas dúvidas em relação a segurança do uso de repelentes na faixa etária pediátrica.
Resumi aqui os dados principais a respeito de repelentes na infância no que diz respeito a faixa etária , tempo de proteção e forma de aplicar. 

Repelentes disponíveis e tempo de ação:
 1) Repelente a base de DEET : Off Kids( 6 a 9%) e Super Repelex Kids (7%) .
   No Brasil estes produtos tem uma concentração  baixa   o que garante uma proteção de até 2 horas no caso do Off Kids e de até 4 horas no caso do Super Repelex Kids; o que gera a necessidade de reaplicações frequentes.
  São recomendados para maiores de 2 anos de idade.

2) Repelente a base de Icaridina : Exposis Infantil Spray (25%)
 Mais potente contra o Aedes aegypti . Garante proteção por até 10 horas, o que reduz a necessidade de reaplicar. Indicado para maiores de 2 anos.
 Existe ainda o Exposis para aplicação em tecidos com duração de 3 dias, útil para aplicar no mosquiteiro, cortina, roupa, etc.

3) IR3535 : Loção antimosquito Johnson
Indicado a partir de 6 meses de idade. Duração de até 4 horas.

4) Óleos naturais:
* Citronela = efeito curta duração, reaplicação a cada hora
* Eucalipto-limão = o mais recomendado dos óleos naturais , efeito de até 5 horas

 ATENÇÃO AO USAR O REPELENTE:
- aplicar um repelente para tecido ou o repelente para pele em spray na roupa
- aplicar o repelente escolhido nas áreas do corpo descobertas (não aplicar na pele por baixo da roupa)
- aplicar uma quantidade generosa e espalhar por igual (o repelente só protege cerca de 4 cm ao redor)
- cuidado para evitar o contato com olho, nariz, lábio
- findo o tempo de exposção lavar a pele para retirada do repelente

De qualquer forma apesar de em alguns casos o uso de repelente ser necessário, aconselho que os pais se cerquem ainda de outros cuidados para depender menos do uso de produtos na pele. Roupa adequada para dormir, mosquiteiro, ambiente refrigerado, velas de andiroba ou citronela, etc.


O assunto é controverso, e sempre tento evitar como médica e mãe produtos químicos nas crianças. O bom senso então prevalece.


Fonte: Artigo de revisão Repelentes de insetos: recomendações para uso em crianças (Rev Paul Pediatr 2009.27(1) 81-9